Setor lácteo projeta aumentos de preços expressivos ao longo de 2016

Nesse início de ano, diversos agentes do setor lácteo tem criado expectativas de aumentos expressivos de preços no campo ao longo desse ano, devido ao panorama atual. No mercado, há profissionais com expectativas de que o preço chegue até a R$1,50/litro no pagamento ao produtor.
Mas qual é o embasamento para que, num cenário de crise econômica, os preços subam de forma tão expressiva? As respostas encontram-se pelo lado da oferta:

– Margens do produtor comprometidas ao longo de 2015 devido aos baixos preços praticados.

– Problemas climáticos no final do ano no Sudeste, Centro-Oeste e Sul.

– Previsão de aumento de preços com ração ao longo de 2016: mercados futuros apontam para alta de 16% para a soja e 34% para o milho.

Ou seja, apesar da previsão de aumentos de receitas, o produtor terá nos custos de produção um grande desafio para obter retorno com a pecuária leiteira.

Levantamento do MilkPoint Mercado já apontou que na primeira quinzena de Fevereiro, a média Brasil para os preços de leite spot ficou em R$ 1,22, registrando alta de 9 centavos com relação à segunda quinzena de Janeiro, o que confirma a “euforia” em relação aos preços no campo, que deve também se refletir no pagamento ao produtor (embora em menor intensidade). Esse valor é 44 centavos acima do verificado no mesmo período no ano passado.

No mercado de derivados, os preços de leite UHT já apresentaram reação nesse início de ano, o que reforça a tendência de alta de preços no campo. Segundo levantamento, o leite longa vida (posto na cidade de São Paulo) apresentava média de R$1,92/litro no final de dezembro. Já na primeira semana de fevereiro, o produto teve média de R$2,12/litro, um aumento de 10,4% somente nesse início de ano (um aumento atípico para esse período do ano).

No entanto, é preciso cautela: com a economia em retração e os preços internacionais em patamares abaixo de US$2.000/tonelada, a importação de produtos pode frear o mercado interno. Análises apontam que hoje, para evitar importação de produtos do Mercosul nos atuais patamares de preço internacional, a taxa de câmbio deveria estar em R$4,50/US$.

Diante deste cenário, Carlos Venturini, Coordenador de Conteúdo do MilkPoint Mercado afirma: “acreditamos que preços até R$1,30/litro ao produtor sejam possíveis em 2016, com nossa projeção de preços ao produtor para o ano ficando entre 15 e 18% acima de 2015. A grande questão é: até onde o consumidor conseguirá pagar?”

Fonte : Milkpoint.com.br