Fórum do Leite/RS: CCGL anuncia investimento e exportação é apontada como caminho para estabilizar o mercado

Um público de 300 produtores prestigiou a 12ª edição do Fórum Estadual do Leite, durante a Expodireto. O evento é uma realização da Cooperativa Central Gaúcha Ltda (CCGL) e Cotrijal. Fizeram parte da mesa de abertura o presidente da Cotrijal Nei César Mânica, vice-presidente Enio Schroeder, prefeita de Não-Me-Toque Teodora Lütkemeyer, o presidente da CCGL Caio Cézar Vianna, o presidente da Sindilat Alexandre Guerra, o presidente da Emater Clair Kuhn, o secretário de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Tarcísio Minetto, o secretário de Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo e o representante do Senar, Herton de Lima.

O presidente da CCGL enfatizou que deve existir uma consciência de esforço coletivo para que o leite brasileiro ocupe um espaço mais expressivo na economia do país, conquistando mercados e tendo o respeito que merece. “Nós acreditamos muito no leite, vamos trabalhar para que o produtor tenha sua rentabilidade garantida, pois essa é a única forma para que a sua rentabilidade possa sobreviver ao longo do tempo. Nós reconhecemos toda importância que o leite tem para manutenção do homem no campo. Não só isso, mas como atividade empresarial e econômica”, expôs Vianna.

O otimismo também foi a tônica do discurso do secretário da Agricultura, Ernani Polo, que reforçou a relevância dos debates que estão sendo realizados na Expodireto Cotrijal. “Além dos negócios, esses momentos deixam um saldo positivo que se replica depois nas propriedades, onde se busca cada dia um resultado melhor”, destacou. Polo ainda salientou que o agronegócio gaúcho vive um momento de transformação, onde a “necessidade de profissionalização é um caminho sem volta”. Apesar de avanços substanciais em profissionalização, como os previstos e alinhados na Lei do Leite, ele garantiu que há uma forte preocupação do governo em proporcionar condições para que um maior número de agricultores continue na atividade.


O presidente da Cotrijal, Nei Mânica, anunciou um novo investimento na região. A CCGL (Cooperativa Central Gaúcha Ltda), empresa associada ao Sindilat, está investindo R$ 140 milhões na ampliação da unidade fabril de Cruz Alta. A proposta é elevar a capacidade instalada de 1 milhão de litros/dia para 2 milhões de litros/dia.

 

Exportações

Dando sequência ao evento, o diretor executivo da Viva Lácteos, Marcelo Martins, traçou um panorama do setor lácteo destacando a relevância que as exportações devem assumir nos próximos anos para garantir a estabilidade de mercado. Segundo ele, com o aumento da produção nacional na casa dos 4,1%, índice maior do que a expansão do consumo, os embarques de leite em pó e condensado tornaram-se uma saída para muitas empresas para assegurar o crescimento dos negócios. Contudo, a crise do mercado internacional vem freando o potencial do setor.

A expansão do setor lácteo, pontuou o especialista, vem sendo puxada pela Região Sul, que assumiu a liderança nacional, ao centralizar 34,7% da produção de lácteos. Enquanto o país registrou crescimento de 4,1% em 10 anos, o Rio Grande do Sul atingiu 7%, praticamente o dobro. “E a região Noroeste, onde estamos agora, cresceu quase 9%”, acrescentou Martins. Ele informou que tem convicção de que a cadeia vai sair fortalecida desse momento, quando todos os elos estão sendo demandados a serem “mais profissionais, competitivos e eficientes”.

Participando do Fórum Estadual do Leite, o presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, reforçou a posição, defendendo a relevância das empresas vislumbrarem nossas potencialidades e mercados para seus produtos lácteos. O Sindilat também foi representado pelo secretário-executivo, Darlan Palharini.

Preocupação com a produtividade e qualidade

O palestrante Marcelo Bonnet  falou sobre a Evolução da Produção e Produtividade do Rebanho e os Impactos na Composição do Leite. Doutor em Ciências de Alimentos e analista da Embrapa Gado de Leite/MG, Marcelo iniciou dizendo que o objetivo da ciência não é gerar a verdade absoluta, mas diminuir tanto quanto possível o limite para o erro infinito. “Sem a ciência o erro prevalece e continua nos desorientando. Ela vem para que melhoremos a nossa capacidade de resolver problemas”, assim iniciou sua conversação, acrescentado que a qualidade é uma grande preocupação para o mercado atual. “O Brasil tem condições de atingir os padrões de qualidade, desde que trabalhe de forma inteligente e integrada”.

Bonnet disse ainda que a melhoria na qualidade do leite brasileiro é o fator central para que se consiga aumentar a competitividade do setor, incluindo o aumento do consumo interno e, eventualmente, exportações. Do lado dos produtores, a preocupação que prevalece é com o preço. Associado da Cotrijal, Delvino Danielli produz leite há 20 anos e participou das 17 edições da Expodireto. “O que nos anima tanto com as palestras quanto com as perspectivas é que o preço deve aumentar”, afirmou, dizendo que neste ano procurou informações para melhorar a pastagem em sua propriedade.

As informações são da Assessoria de Imprensa Sindilat e da Rádio Progresso de Ijuí. Matéria publicada no site milkpoint.com.br.