Resfriar o Leite no Verão

O verão é uma estação desafiadora na produção de leite pelas características desta estação do ano, com dias mais quentes, marcados por temporais e descargas elétricas.

Nesse período temos o desafio de manter nossas vacas sem stress térmico para que sigam produzindo leite utilizando as tecnologias existentes que auxiliem no stress térmico na vaca.

Entretanto o resfriamento do leite após a ordenha também se torna um desafio devido às temperaturas ambientes serem altas, principalmente a segunda ordenha da tarde, claro que o processo de resfriamento se dá ao longo do ano em todas as estações, mas é no verão que os tanques de refrigeração de leite deverão se mostrar eficientes e que atinja a temperatura necessária de forma rápida e eficiente para que possamos ter um leite de qualidade. Portanto, entender sobre os equipamentos de refrigeração e suas configurações é importante para um bom desempenho com o resfriamento.

A granelização do leite como é conhecida, trouxe muitos benefícios tanto para qualidade como para logística do leite até a indústria, assim otimizando todo processo na cadeia leiteira.

O Tanque de Refrigeração é um equipamento destinado para armazenar e manter o leite em condições adequadas e determinadas de resfriamento até o momento da coleta a granel.

O ministério da agricultura no Brasil determina através da IN 62 (instrução normativa 62) que o leite deverá estar a 4°C na fazenda no momento da coleta pela a indústria.

Os Tanques Refrigeradores podem ser classificados em:

Tanque de duas ordenhas: deverá resfriar 50% do seu volume nominal por ordenha, conforme sua classe de desempenho, podendo ser esvaziado diariamente (24 h);

Exemplo: Tanque de 1000 litros 2 ordenhas = resfria 500 litros.

Tanque de quatro ordenhas: deverá resfriar 25% do seu volume nominal por ordenha, conforme sua classe de desempenho, podendo ser esvaziado a cada dois dias (48 h).

Exemplo: Tanque de 1000 litros 4 ordenhas = resfria 250 litros.

Quanto ao desempenho também devemos ficar atento a sua classificação:

a) Quanto ao número de ordenha (2 ou 4), descrito acima;

b) Quanto a temperatura ambiente;

c) Tempo de refrigeração do leite.

Classificação Temperatura de desempenho (TD)°C Temperatura operacional de segurança (TS)°C
A 38 43
B 32 38
C 25 32

Tempo Resfriamento em Horas

Classificação Todas as ordenhas 35 a 4 °C Segunda ordenha 10 a 4 °C.
I 2,5 1,25
II 3,0 1,5
III 3,5 1,75
IV 1 1

Exemplo: o fabricante do equipamento sempre informa a classificação do tanque assim como a voltagem, capacidade nominal, número de série do equipamento, carga de gás, tipo de gás e a potência dos compressores.

Se a placa informar: Tanque de Resfriamento de leite 1.000 litros 4BII trifásico, significa:

Capacidade nominal do tanque: 1000 litros

O numero 4 antes da letra B informa que o regime do tanque é 4 ordenhas

A letra B informa que a temperatura ambiente ideal de trabalho para o equipamento é de 32°C podendo chegar a 38°C para um desempenho satisfatório.

Já o algarismo II informa que o leite de primeira ordenha deverá ir de 35°C a 4°C em no máximo 3 horas, e as demais ordenhas de 10°C a 4°C em no máximo 1,5 horas.

Já no último, não menos importante, tipo da rede elétrica que pode ser monofásica ou trifásica, deve-se informar do padrão na fazenda e se há energia para funcionar os compressores. Geralmente tanques acima de 2000 litros utilizam compressores grandes que demandam energia para sua partida, que por muitas vezes não há na zona rural, fazendo com que o tanque não ligue ocasionando muito transtorno.

As demais informações são extremamente úteis aos técnicos de refrigeração para quando necessitar realizar uma manutenção no equipamento.

É indispensável que o equipamento tenha um aterramento, que deverá ser feito de acordo com as instruções do fabricante. A manutenção periódica se faz necessária para que o aterramento conserve a sua principal função, que é a proteção do operador.

Dispositivo de proteção deverá ser capaz de garantir a operação do equipamento de refrigeração. Esse dispositivo deverá ser dimensionado de acordo com reais necessidades elétricas do equipamento. Deve-se ser observada a vida útil de cada dispositivo de proteção para que seja garantido o seu perfeito funcionamento.

É indispensável o uso de dispositivos de proteção contra descargas elétricas e variações excessivas de tensão.

Os equipamentos deverão ser fabricados principalmente onde há contato com leite em aço inox (corpo do refrigerador) e demais componente (juntas, vedações…) em contato com leite serem atóxicas e resistentes aos produtos de limpeza.

O isolamento térmico garante a manutenção da temperatura do leite armazenado. Quando maior e melhor o isolamento, menor será o gasto de energia elétrica para manter esta temperatura. O meio isolante não deverá se assentar no fundo e não pode estar sujeito a deslocamento durante o transporte ou a manutenção.

Um tanque deverá ter uma ou mais tampas justas e auto drenantes que se encaixem na(s) abertura(s) do corpo interno e tenham bordas voltadas para baixo. As tampas deverão permitir a fácil inspeção e amostragem do leite, o enchimento do tanque deve ser realizado sem que haja necessidade de sua abertura.

As tampas dos tanques projetados para serem limpos manualmente deverão ser construídas de forma que possam ser abertas para possibilitar a fácil limpeza manual de todas as partes. No caso de tampas com dobradiças, as mesmas deverão ser providas de suporte seguro para a posição aberta. As tampas dos tanques projetados para serem limpos por meio de métodos não manuais deverão permitir a inspeção de todas as partes que possam vir a ter contato com o leite. Estes tanques não podem ter menos que uma abertura com dimensões, no mínimo, equivalentes a uma elipse de 400 mm x 300 mm.

O dispositivo de agitação deve ser construído de forma que seja fornecida proteção contra qualquer contaminação do leite proveniente de agentes externos. O agitador deverá ser protegido de tal maneira que o operador não possa ter contato com as partes em movimento e ser projetado de forma que possa haver uma limpeza eficaz.

As vedações do eixo do agitador deverão ser de estrutura robusta e estar projetadas de tal maneira que nenhum vapor d’água condensado, óleo ou outras substâncias que possam contaminar o leite, entrem em contato com o produto.

Um tanque deverá ter uma drenagem para a água de limpeza. O orifício de saída e o fundo do corpo interno devem ser projetados de tal maneira que toda a água de limpeza escoe para a saída.

Instrumento para medir a temperatura do leite

Todo tanque deverá ter um instrumento para medir a temperatura do leite (em graus Celsius) em qualquer volume entre 10% e 100% do volume nominal. O instrumento deverá ser capaz de suportar, sem perda da calibragem, temperaturas dentro do receptáculo interno de –10 a +70°C e temperaturas ambientes de –10°C até a temperatura operacional de segurança (TOS), e não deverá penetrar no corpo interno.

A escala medidora (régua de volume) deverá ser graduada de 10% ou menos até, no mínimo, 100% do volume nominal. Cada divisão da escala medidora representará um volume de, no máximo, 0,5% do volume nominal (deverá ser correspondente ao volume contido em 1 mm de leite).

Sistema de refrigeração:

É proibida a utilização de tanques refrigeradores que utilizem serpentinas o sistema de refrigeração deverá ser por expansão direta.

Limpeza:

Tanto os tanques verticais como horizontais deverão ser higienizados após seu esvaziamento o procedimento deverá levar em consideração o protocolo correto para diluição do detergente na quantidade e temperatura da água para lavagem do equipamento.

Os tanques horizontais fechados geralmente utilizam sistema CIP de lavagem atentar as instruções do fabricante do tanque e do detergente.

Nos tanques verticais abertos não entrar no tanque para realizar a limpeza adquirir as ferramentas para lavagem do corpo e válvula de escoamento para garantir uma boa higienização não esquecendo das partes como o agitador e a régua de medição do volume.

O local de instalação do equipamento é de extrema importância, deverá o mesmo estar próximo a sala de ordenha, mas não na sala de ordenha. Possuir o que chamamos de sala do leite onde se encontram os tanques e quem possui sistema de programador automático de limpeza para a sala de ordenha geralmente fica nessa sala.

Para um melhor desempenho é interessante que as unidades de refrigeração, compressores e condensadores estejam em um local bem ventilado, protegidos de intempéries do tempo e animais.

Em tanques de grande volume geralmente se realiza a instalação das unidades de frio remota, ou seja, separada do tanque, entretanto tanques menores por questão econômica e comercial as unidades se encontram acopladas.

Ter uma sala com “pé direito” suficiente para que fique um espaço no mínimo um (01) metro entre a ponta da tampa aberta e o forro da sala, verificar as necessidades de pisos especiais para quem for comprar tanques grandes acima de 3.000 litros, sendo interessante revestir a sala e projetar drenos para total escoamento da água após as lavagens.

Saber quanto se quer resfriar e qual regime para entrega são os primeiros passos para decidir sobre uma compra.

O entendimento sobre esse equipamento permite com que possamos manter um padrão de qualidade no leite com um resfriamento adequado e um rendimento de consumo energético satisfatório ano todo.

 

Lissandro Stefanello Mioso

Médico Veterinário – CRMV 8457

Consultor Técnico